Especialistas debatem Segurança Condominial e dão dicas de como proteger seu patrimônio

RESIDENCIAIS E CONDOMÍNIOS FECHADOS SÃO MESMO SEGUROS?

Oitenta e um por cento das pessoas, segundo pesquisas efetuadas, adquirem imóvel em condomínio por causa da segurança. Mas o condomínio não é tão seguro quanto a gente pensa que é, e as notícias publicadas nos últimos quinze dias nos jornais sustentam esta afirmação: “Quadrilha invade condomínio na Bela Vista”, “Assalto em condomínio em Atibaia”, “Bando invade prédio no Brooklin”, “Arrastão no prédio em Tatuapé”, “Bando faz arrastão em condomínio de luxo no interior (Salto)”. Fica claro que não existe segurança total, cem por cento”, mas há medidas para minimizar riscos.

Segurança física das instalações

O condomínio tem de ter muros altos, grades, portões, tem de ser e permanecer fechado, tem de ter guaritas apropriadas, com telefone desbloqueado para que o porteiro possa acionar as autoridades. Os interfones tem de estar em perfeito funcionamento, inclusive dentro dos elevadores. Também é recomendável a utilização de radio-comunicadores para comunicação funcional e de eventuais emergências. Uma iluminação adequada também é essencial, eliminando pontos de penumbra, mesmo na área perimetral. A penumbra facilita a ação do marginal. A LÍDER SS, analisa toda a estrutura de segurança do local e planeja a segurança personalizada para cada clientes.

Investimento em funcionários

Mas, até o equipamento mais sofisticado mostra-se inútil se o funcionário do prédio não sabe como reagir a uma ocorrência na área de segurança. E, analisando as invasões de condomínio, constata-se que em quase a totalidade das vezes o problema tem uma origem comum: falha humana. O investimento, começa na contratação de qualquer funcionário que venha exercer funções no condomínio: verificação de atestados, SERASA, SPC, antecedentes trabalhistas, motivo das demissões, etc. O condomínio deve, também oferecer treinamento a todos seus funcionários. Esses profissionais muitas vezes são marginaizados, largados na portaria, mas essa pessoa que está na portaria é que está fazendo nossa segurança. Deve, portanto, ter condições adequadas de trabalho: local apropriado, com temperatura amena ou a contratação de uma empresa especializada em segurança, a Líder Serviços em Segurança, possui funcionários treinados periodicamente e capacitados para portarias, zeladorias, serviços gerais.

Conscientização do condômino

Este é  talvez o lado mais complexo do assunto. O condômino, que é o maior interessado na sua própria segurança, muitas vezes pensa que ao pagar o condomínio já está fazendo sua parte. Mas é fundamental que o condômino participe das reuniões, conheça e respeite as normas de segurança. O morador é cem por cento responsável da segurança condominial, mas é o próprio morador que acaba marginalizando o funcionário que, exercendo suas funções, faz a segurança preventiva do condomínio. É comum o condômino criar caso quando um parente é detido na portaria para registro de acesso, desestimulando o funcionário e comprometendo todo o sistema de segurança. Um exemplo é o caso de um condômino que ficou extremamente irritado com um funcionário quando este, segundo as normas de segurança do prédio, negou permissão ao entregador de pizza para efetuar a entrega no apartamento do condômino. Poucos anos depois, o condômino elegeu-se síndico do prédio, e na primeira oportunidade demitiu aquele funcionário, só por vingança. Até fora do condomínio o morador é co-responsável pela segurança da sua moradia: em muitos casos os assaltantes rendem o morador fora do condomínio e entram junto com ele. Apesar dos equipamentos de segurança, a portaria é o ponto mais vulnerável do condomínio.

www.grupoliderss.com.br